quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Cartas da China: tufão, chá e revolução

Marques Casara manda mais novidades de sua aventura no sul da China:

Ontem, depois do jantar, no caminho de volta ao hotel, ficamos nos perguntando por que os pássaros estavam voando à noite. Coisa esquisitíssima.
Chegando no hotel, no canal em Inglês falaram que aqui no Sul estávamos em alerta máximo de tufão e que algumas comunidades tinham sido deslocadas na China e no Vietnam. Os vôos na região estão cancelados.
Temos Internet, água quente e um ventinho leve. Ninguém tá esquentando a cabeça. Tá todo mundo se preparando para as festividades de 60 anos da revolução, dia 01.
A China tá um caos por causa dessa festa. Vai ser uma semana inteira de feriado nacional. As ruas estão enfeitadas e o povo já tá soltando rojão.
A China é proprietária da tua ciência, da tua consciência e do teu corpo. De resto, é uma maravilha.
As pessoas riem o tempo todo e todo, te cumprimentam na rua e te convidam pra tomar um chá na casa delas.
E cospem e peidam o tempo todo e não estão bem ai.
Só não temos café.
Chá, chá e mais chá.

China profunda


Sul da China.
Foto de Marques Casara.

Obrigado, Chapecó!

Sempre é tempo de agradecer: Chico e eu nos sentimos em casa durante a exibição de Espírito de Porco na 1a. Mostra de Documentários de Chapecó. O debate depois do filme foi ótimo. Público antenadíssimo, com uma visão crítica sobre o impacto ambiental que a suinocultura representa pra quem vive no Oeste de Santa Catarina. Agradeço a toda a equipe da associação de cinema e vídeo Cinelo, em especial a Ilka Goldshmidt e o marido dela, Miro, pela gentileza do convite e pelo agradável papo no jantar. Vida longa a essa mostra!

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Liminar impede construção da fosfateira de Anitápolis

Uma liminar concedida ontem pela juíza federal substituta Marjôrie Cristina Freiberger Ribeiro da Silva suspende os efeitos da Licença Ambiental concecida pela Fatma (Fundação do Meio Ambiente) e impede a construção da fosfateira das transnacionais Bunge e Yara no município de Anitápolis. A juíza determina que a Fatma "se abstenha de expedir a Autorização de Corte e às empresas rés de qualquer ato tendente à supressão de vegetação ou início das obras, até decisão final nesta ação". Importante conquista para os moradores dessa linda região de Mata Atlântica na encosta da serra catarinense, rica em nascentes, flora e fauna ameaçadas de extinção. Recomendo a leitura da íntegra da decisão judicial, sábia e bem fundamentada. Ainda há muita água pra correr neste caso, mas é uma vitória inicial a comemorar.

Le couchon danseur


Le couchon danseur. Filme burlesco francês de 1907. A dica é do Alexandre Gonçalves, que viu no BoingBoing.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Miguelices: inglês

Eu: - Em inglês, às vezes eles falam ao contrário. Por exemplo, cachorro quente é hot dog. Menino bonito é beautiful boy.
Miguel: - Em vez de comer com as mãos, eles comem com os pés?

Yangshuo

Do Marques, direto da China:


Olha a fotinha tirada domingo de manhã do barco em que viajamos um pedaço do caminho.
Estamos em Yangshuo. O lugar é lindo, mas tem cheiro de galinha fervida. 
A China cheira a galinha fervida e pimenta.

sábado, 26 de setembro de 2009

Espírito de Porco em Chapecó hoje

Post pré-programado.

Enquanto você me lê, tou dirigindo com o Chico Faganello de Floripa a Chapecó. Vamos exibir às 19h30 no Sesc o nosso documentário Espírito de Porco, sobre os impactos da suinocultura industrial no Oeste de Santa Catarina. Na sequência, bate-papo com o público da mostra Ó o Doc Aí, que encerra hoje. Tou curioso pra ouvir as opiniões das pessoas sobre esse tema, que é diretamente ligado à realidade delas. São espectadores com perfil diferente dos que, em Curitiba, elegeram nosso documentário o melhor filme da 1a. Mostra Internacional de Cinema pelos Direitos dos Animais. Lá, muitos vegetarianos e foco em questões éticas envolvendo o bem-estar animal. No Oeste, muitos carnívoros. Gente pra quem a criação de porcos faz parte do cotidiano, direta ou indiretamente. As questões ambientais e econômicas talvez ganhem mais mais peso. Depois conto mais.
~
É muito bom pegar a estrada.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Nelson Freire em Chapecó

Hoje a Mostra de Documentários de Chapecó e Região exibe o filme Nelson Freire, de João Moreira Salles.

Sinopse: 31 blocos temáticos apresentam a vida e a obra do pianista Nelson Freire, sucesso internacional no mundo da música. Foi filmado entre maio de 2000 e agosto de 2001, acompanhando o pianista por Rio de Janeiro, São Paulo, França, Bélgica e Rússia.

#tuiteumcurta

Versão ultra-curta para twitter do meu conto Pura Sorte - que já é bem enxuto:

Matava a tiro. Preso, quebralham-lhe 5 dedos. Fugiu. Menino curioso: - Que foi? Ele: - Acidente de trabalho. Mas sou canhoto.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Serras da Desordem

Ó o Doc Aí Ó, 1a. Mostra de Documentários de Chapecó e Região. Hoje às 19h30, no Sesc, passa Serra da Desordem Serras da Desordem, de Andrea Tonacci. Sábado, no mesmo horário, Espírito de Porco, seguido de debate.
~
Faltou o plural no nome do filme. Corrigido, Lucian, obrigado!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Brunitezas: loucura verbal

Bruno, comentando um trocadilho bobo que fiz pra ele rir:
- Pai, você é louco com as palavras.

Os perigos do Facebook

Ladrão arrombou casa, fez uma pausinha pra checar o Facebook e acabou preso.

[via Aidan Doyle, meu correspondente australiano pra assuntos bizarros]

Observatório de Ética Jornalística

Reproduzo mensagem do jornalista Rogério Christofoletti sobre uma iniciativa bem-vinda:

Eu e o professor Francisco José Karam convidamos a conhecerem o Observatório de Ética Jornalística (objETHOS), novo grupo de pesquisa do Departamento de Jornalismo da UFSC. A partir de agora, o objETHOS é a nossa base operacional para reunir conteúdos sobre deontologia jornalística, para desenvolver pesquisas na área, promover eventos e incentivar a reflexão e o debate em torno da ética no jornalismo.

Em nosso blog, reunimos referências bibliográficas e cinematográficas, artigos e outros conteúdos relacionados. Por lá, também compartilharemos os resultados de nossas pesquisas.


Um abraço

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Ó o Doc aí

Começa hoje a I Mostra de Documentários de Chapecó, com o filme "Jogo de Cena", de Eduardo Coutinho. No sábado 26 vai ser exibido nosso documentário Espírito de Porco, sobre o impacto da suinocultura industrial. O Chico Faganello e eu estaremos lá pra debater com o público. Segue release que recebi dos organizadores.

Cinelo realiza Ó o Doc Aí: I Mostra de Documentários de Chapecó

     Pela primeira vez será realizada em Chapecó uma mostra que envolve uns dos melhores filmes do gênero documentário do país. O evento foi organizado pela Associação de Cinema e Vídeo de Chapecó e Região – Cinelo, em parceria com outras entidades. A Mostra, que acontece de 22 a 26 de setembro, com início sempre às 19h30min, no Teatro do Sesc Chapecó, conta com a exibição de seis filmes, cujos direitos autorais de exibição das obras foram liberados pelos diretores.
     A Mostra inicia no dia 22, com a exibição do documentário “Jogo de Cena” de Eduardo Coutinho, considerado um dois maiores  documentaristas brasileiros em atividade. Jogo de Cena é o décimo longa-metragem do diretor.
     Na quarta, dia 23 é a vez do filme “Jesus no mundo maravilha” dirigido por Newton Cannito que, além de produção documental tem vasta experiência em roteiro. Seu filme “Jesus no mundo maravilha” foi contemplado com o Edital DOCTV, um dos mais importantes prêmios nacionais.
     Dando seqüência à mostra, no dia 24 será exibido “Serras da Desordem”, direção de Andréa Antonacci. Nascido em Roma, na Itália, em 1944, transferiu-se para São Paulo (onde reside até hoje) em 1953.  Realiza ampla documentação de culturas indígenas das Américas, que é também o tema do documentário exibido.
     Na sexta-feira, 25, a Mostra exibe o filme “Nelson Freire” de João Moreira Salles, que conta a história do pianista Nelson Freire. É importante ressaltar que esta é a segunda vez que o diretor João Moreira Salles cede os direitos autorais de um de seus filmes para exibição da Cinelo. No ano passado, foi exibido Santiago no evento que marcou o início das atividades da Associação.
     Finalizando a Mostra, no dia 26 dois filmes serão exibidos. O primeiro deles, “Faltam 5 minutos”, do gaúcho Luiz Alberto Cassol. O documentário narra a final de uma partida de futebol a partir da visão dos narradores esportivos das rádios da cidade de Santa Maria – RS. Na seqüência, ocorre o lançamento oficial do documentário catarinense “Espírito de porco” de Chico Faganello e Dauro Veras. Os dois diretores estarão presentes no evento para um bate-papo com o público.

     Sobre a Cinelo
     Em atividade há pouco mais de um ano, a Associação de Cinema de Chapecó e Região – Cinelo veio suprir uma carência regional tanto no incentivo à produção de filmes, quanto na formação de público para a sétima arte. Um dos grandes objetivos da Cinelo é tornar acessível grandes filmes que geralmente ficam restritos aos grandes centros. Um exemplo disso é a Mostra Ó o Doc Aí.
     Além do evento em questão, a Cinelo mantém diálogo com setores públicos e privados a fim de buscar parcerias para o desenvolvimento de um cenário cinematográfico forte e de qualidade. Fazem parte da associação pessoas que produzem filmes, mas sobretudo amantes da sétima arte. A Cinelo está aberta a quem quiser pensar e fazer cinema. Para tornar-se sócio ou obter mais informações sobre a entidade basta entrar em contato através do e-mail contato@cinelo.com.br, ou entre no site www.cinelo.com.br  e saiba um pouco mais sobre a Associação.

     Informações: contato@cinelo.com.br
     Telefone: 9979 8275 - Daniela

Direto de Honduras

A Rádio Globo Honduras está transmitindo ao vivo o cerco dos militares golpistas à Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. Há conflito com o povo que apoia Manuel Zelaya e a polícia e exército estão baixando o pau. Eletricidade, água e telefone da Embaixada foram cortados. Acabo de ouvir disparos ao fundo da transmissão dos repórteres, que estão no meio do povo acompanhando a repressão. Jornalismo de primeira!

Cheguei a este link via artigo da jornalista Elaine Tavares. Trecho:

Hoje, dia 22 de setembro, eram cinco horas da manhã quando o exército hondurenho chegou diante da embaixada brasileira e ali estavam os repórteres da Rádio Globo, relatando tudo. E mais, chamando o povo a sair de casa, a vir para a rua e se manifestar em apoio da legalidade constitucional, que é o retorno de Zelaya ao governo.  Para quem vive num país onde a maioria dos jornalistas é cortesã do poder,  este é um momento de pura emoção. Os jornalistas hondurenhos, pelo menos os da rádio Globo, estão do lado da maioria das gentes. Eles não ficam protegidos pelo exército golpista. Eles ficam no meio do povo, correndo os mesmos riscos.
 
Naquelas primeiras horas da manhã, as gentes que vivem longe da capital, congestionavam as linhas da rádio para passar informação. O país inteiro se expressa pelas ondas livres desta emissora que, apesar de privada e pertencer a um liberal, encontrou no seu corpo jornalístico o esteio onde amparar a realidade vista pelos olhos do povo.
 
Para nós, que somos informados pelo jornalismo entreguista e amorfo das grandes redes do Brasil, ouvir a Rádio Globo de Honduras é quase como sorver o néctar daquilo que devia ser o jornalismo em todos os lugares. Um fazer absolutamente encarnado na vida real, das maiorias, do povo. Um espaço de expressão de todas as vozes e não só de algumas. A equipe de jornalistas da Rádio Globo me enche de orgulho de ser o que sou: jornalista. Alguém comprometido e parcial. Porque não dá para ser neutro diante de um golpe ou diante da destruição da vida das gentes. Que vivam os jornalistas de Honduras, uma categoria que tem o amor e a confiança do povo. Coisa rara e por isso digna de nota.

domingo, 20 de setembro de 2009

Mina vira alvo de protestos em SC

Matéria de alta relevância no Estadão de hoje. Um paraíso de mata atlântica e nascentes está ameaçado pela estupidez corporativa. O Fernando e a Regina, citados no texto, foram nossos anfitriões no sítio Pasárgada, em Anitápolis.

Mina vira alvo de protestos em SC

Empreendimento para explorar fosfato obteve aval de órgão de licenciamento, mas moradores são contra atividade

Eduardo Nunomura


Há sete anos, Fernando Monteiro decidiu ir embora para sua Pasárgada, e assim batizou o sítio que escolheu, no meio da mata atlântica de Santa Catarina. Hoje, ele está triste, triste de não ter jeito, com a história da construção de uma mineradora perto de seu quintal. Mas, ao contrário do que imaginava o poeta Manuel Bandeira, Monteiro não é amigo do rei nem da Indústria de Fosfatos Catarinense (IFC), dona do projeto Anitápolis. A IFC quer explorar a maior jazida ainda intacta no País em uma área de 300 hectares, cercada de florestas, rios e pequenas comunidades. Monteiro e outros tantos lutam para barrar a obra.

Duas multinacionais, a Bunge e a Yara Brasil Fertilizantes, formaram a IFC e compraram 1,8 mil hectares na pacata cidade de Anitápolis. Há décadas sabe-se que naquele chão há o minério vital para o agronegócio. É o fósforo, identificado pela letra química P. Com o nitrogênio (N) e o potássio (K), forma o fertilizante NPK. O Brasil importa a maior parte do fósforo, porque é mais barato. Explorar jazidas como a de Anitápolis reduziria a dependência externa.

Monteiro é um paulistano que se refugiou na montanha. Casou-se com Regina Capistrano, mãe de Miguel, de 11 anos, e com ela teve duas filhas, as pequenas Mariana e Ana Clara. Eles compraram 5,5 hectares cortados por dois rios e nove nascentes d"água. Plantaram uma horta e construíram três cabanas para receber hóspedes. A pousada Sítio Pasárgada faz parte de um programa de inspiração francesa, a Acolhida na Colônia, onde turistas experimentam a vida no campo sem televisão, telefone ou internet. "Falo de rios limpos, rãs e matas intactas. As multinacionais dizem que vão preservar, mas a lógica delas é de quem só pensa em produzir", diz ele. (...)

Creative Commons

Este texto tá no final da homepage do blog, mas poucos dos meus 17 leitores devem chegar até lá. Então vou dar uma colher-de-chá pra ele e botá-lo em destaque, aproveitando pra dizer que DVeras em Rede é Creative Commons.


Creative Commons License
"Você pode copiar, distribuir, exibir e executar a obra, sob as seguintes condições:
Atribuição. Você deve dar crédito ao autor original, da forma especificada pelo autor ou licenciante [ Dauro Veras - http://dauroveras.blogspot.com/ ].
Uso Não-Comercial. Você não pode utilizar esta obra com finalidades comerciais.
Vedada a Criação de Obras Derivadas. Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta."

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

'Lisbeth Salander debe vivir' (Vargas Llosa)

Artigo de Mario Vargas Llosa em El País sobre a trilogia Millenium, do sueco Stieg Larsson:

Comencé a leer novelas a los 10 años y ahora tengo 73. En todo ese tiempo debo haber leído centenares, acaso millares de novelas, releído un buen número de ellas y algunas, además, las he estudiado y enseñado. Sin jactancia puedo decir que toda esta experiencia me ha hecho capaz de saber cuándo una novela es buena, mala o pésima y, también, que ella ha envenenado a menudo mi placer de lector al hacerme descubrir a poco de comenzar una novela sus costuras, incoherencias, fallas en los puntos de vista, la invención del narrador y del tiempo, todo aquello que el lector inocente (el "lector-hembra" lo llamaba Cortázar para escándalo de las feministas) no percibe, lo que le permite disfrutar más y mejor que el lector-crítico de la ilusión narrativa.

¿A qué viene este preámbulo? A que acabo de pasar unas semanas, con todas mis defensas críticas de lector arrasadas por la fuerza ciclónica de una historia, leyendo los tres voluminosos tomos de Millennium, unas 2.100 páginas, la trilogía de Stieg Larsson, con la felicidad y la excitación febril con que de niño y adolescente leí la serie de Dumas sobre los mosqueteros o las novelas de Dickens y de Victor Hugo, preguntándome a cada vuelta de página "¿Y ahora qué, qué va a pasar?" (...)

Aventuras de um silvícola no Oriente: piscina


Exibir mapa ampliado

Marques "Índio" Casara manda o primeiro relato de Guangzhou:

Hoje vivenciei meu primeiro choque cultural da China.
Fui à piscina do hotel, sentei na espreguiçadeira e e abri o laptop.
Chegou um cara e disse que computadores eram proibidos na área da piscina. Conversa daqui, conversa dali, tive que deixar o computador no armário do banheiro.
Sentei na espreguiçadeira e tentei relaxar.
Voltou o mesmo cara: "não pode ficar de camisa".
Por que? - perguntei.
Porque aqui é pra tomar banho de piscina. Pra ficar de camisa precisa sair da área da piscina.
Tirei a camisa e pedi: pode por gentileza trazer uma cerveja.
"Bebidas são proibidas na área da piscina".
Desisti. Fui tomar uma chuveirada no quarto.

Drops da semana

Semana corridaça. Então, ao estilo twitter, vamos aos drops.
~
Recebi, via www.trocandolivros.com.br, Primeiras Estórias, de Guimarães Rosa. Preciosidade.
~
Lendo a 3a. parte da trilogia Millenium, do sueco Stieg Larsson: A rainha do castelo de ar.
~
Artigo de Vargas Llosa em El País elogiando a trilogia Millenium: "Lisbeth Salander debe vivir".
~
O escritor da vez em Grandes autores catarinenses, blog da Regininha, é Godofredo O. Neto.
~
Festival Internacional de Mágica em Floripa. Ganha quem fizer sumir o engarrafamento.
~
Revendo um ótimo e despretensioso filme romântico: Before Sunrise (Richard Linklater, 1995).
~
Contagem regressiva: faltam três dias para a Primavera. Chega de chuva e lama, quero praia.

It ain't me babe


É linda essa música! Peguei no Puxadinho do Raulzinho.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

O que é Creative Commons


Creative Commons em linguagem acessível. Muito bom esse desenho animado.
[dica da @denisecardeal]

De Dubai via SMS

Marques Casara está viajando para a China com sua mulher Tatiana Cardeal, que vai receber um prêmio internacional de fotografia. Na escala de oito horas em Dubai - onde estão neste instante - ele conversou comigo via mensagem de texto de celular.

Eu:
- Conta alguma coisa daí.


Marques Casara: - Fizemos um táxi tur das 2 às 4 da manhã. No mar ilhas artificiais gigantes construídas com pedras importadas do Egito. Milhares de obras tocadas por imigrantes indianos. Palácios riquíssimos. Obras, obras, obras. Paraíso da desigualdade. Indianos erguem a cidade no deserto a 300 dólares por mês. No hotel aqui perto, diárias a 2.500, jantares a mil dólares.

- Paraíso da desigualdade? Então cês tão se sentindo quase em casa. Tou vendo Dubai no mapa. Do ladim do Irã, Arábia Saudita, Iraque, Paquistão, Índia... Nada mal pruma outra viagem.

- Cruzamos o Golfo Pérsico no início da noite de domingo. A poltrona da Emirates é uma plataforma interativa com quatro câmeras do lado de fora do avião. Centenas de filmes, música, jogos e até telefone e e-mail com cartão de crédito pra quem tem bala.

- Você compraria um terreninho em Dubai?

-
Pra comprar um terreno entra na lista. A cada 17 anos escolhem os felizardos. Ap de 1 quarto em algumas ilhas a US$ 4 milhões. Para abrir um negócio, só com sócio local.

- Choque cultural?

- Aqui é cosmopolita. Miami árabe. Cidades islâmicas ao redor são hipertradicionais. Essas eu queria ver. Recebeu a foto?

- Ainda não. Tuitei: de Dubai via SMS. Um papo entrevista com Marques Casara acontecendo agora.

- Os jornais impressos vão acabar. Vi o papel digital, fosco, lindo, não cansa a vista, toca música e interage com você.

- Hahahaha. Recebi a foto. Já tá no blog.

domingo, 13 de setembro de 2009

Miguelices e brunitezas: alfabetização

Irmão maior brincando de alfabetizar o menor.
Miguel: "O que faz N-H-O?"
Bruno: "Baba? Miguel? Cebola frita, cebola cozida?"

sábado, 12 de setembro de 2009

Anotação de leitura: Primeiras Estórias

Tudo se amaciava na tristeza. Até o dia; isto era: já o vir da noite. Porém, o subir da noitinha é sempre e sofrido assim, em toda a parte. O silêncio saía de seus guardados. O Menino, timorato, aquietava-se com o próprio quebranto: alguma força, nele, trabalhava por arraigar raízes, aumentar-lhe alma.
Guimarães Rosa, As margens da alegria, conto publicado em Primeiras Estórias.
~
O subir da noitinha me traz lembranças de infância semelhantes ao que Rosa descreve no trecho acima. Um quê de tristeza no mundão enquanto esperava o pai e a mãe chegarem do trabalho; aves voando no horizonte, a "hora do anjo" às seis horas na rádio. A literatura é maravilhosa quando desperta coisas assim, ecos da nossa própria vida.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Grandes autores catarinas

Regininha Carvalho, que dia desses cometeu bloguicídio pra se dedicar mais tempo à literatura, volta a atacar na blogolândia, agora com Grandes autores catarinas, aproveitando material de pesquisa que está fazendo pra um livro sobre seu avô. Diz ela:

Não existe, atualmente, melhor meio pra divulgação que a internet, temos que reconhecer... Colocarei poetas, contistas e cronistas, talvez ensaístas, desde que tenham sido publicados em livro, sem pensar em se estão vivos ou mortos. Basta que sejam bons! Acho que 'cês vão gostar dele!
Adorei. Regininha aceita sugestões de autores e textos. E de cara, compartilha um conto belíssimo de Flávio José Cardozo, lido pelo autor durante uma oficina na Academia Catarinense de Letras: Eles apenas saíram, publicado no livro Guatá, de 2005. Sou pai de dois meninos, impossível não chorar. O início:
Eu muitas vezes penso que eles apenas saíram. Foram levar as marmitas e não tiveram vontade de ir para a escola, então saíram para um passeio pelos eucaliptos, por aqueles morros. Saíram por distração, travessura. Foram olhar nossas casas mais do alto e a Serra um pouquinho mais de perto, logo estarão de volta.

Dulcídia não conhece tristes cantares de outras terras, canções para outros meninos. O que sabe, com murmúrios e silêncios, é que seus meninos apenas saíram. Estão por aí, pelos morros, pelos eucaliptos. (...)

Kommbo hoje



Hoje tem mais uma edição do Kommbo na Lagoa da Conceição.

Repórter Brasil, 8 anos

A ong Repórter Brasil, especializada em reportagens sobre direitos humanos (com foco em trabalho escravo), está completando oito anos de serviços preciosos ao jornalismo e ao país. Recebi convite de seu coordenador, Leonardo Sakamoto, pra festa de comemoração e passo adiante a quem estiver em São Paulo no dia 21.

Festa Repórter Brasil, 8 anos
Quando: 21 de setembro (segunda-feira), a partir das 21h.
Local: Fun House (uma das melhores baladas de São Paulo) - Rua Bela Cintra, 567.
Há dois convites: um de R$ 10 e outro de R$ 20. O de R$ 20 dá direito ao sorteio a uma passagem de ida e volta para qualquer lugar do país (exceto Fernando de Noronha - não perguntem o porquê). Podem ser comprados com antecedência ou na porta.

Os recursos arrecadados ajudarão a bancar o 1º Encontro Nacional do "Escravo, Nem Pensar!", que será realizado durante o feriado de 12 de outubro. Trata-se de um evento, organizado pela Repórter Brasil, que reunirá centenas de professores e lideranças populares de diversas regiões do país em Açailândia, no Maranhão.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

O Abraço Corporativo: trailer


Abraço Corporativo from Ideia Forte on Vimeo.
O documentário Abraço Corporativo, de Ricardo Kauffman, acompanha as peripécias de um consultor de RH em busca de espaço na mídia. "O filme interfere na realidade que retrata de maneira incisiva e reflete sobre o funcionamento da imprensa às vésperas da convergência digital", diz o diretor.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Miguelices e brunitezas: soletrando

Miguel: - "Pau" se escreve com U ou com L?
Eu: - Com U, filho.
Bruno, pegando carona no papo: - Pai, "aveia" se escreve com P ou com T?

Brunitezas: nomes

Bruno vem com uma novidade da escola.
- Tem uma nova coleguinha na turma.
- É mesmo, filho? Como é o nome dela?
- Acho que é Garney.
- Garney?!
- É.
Depois comentei com a professora, que esclareceu. A menina se chama Carmem.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Kommbo Express e Twestival

Dia 11 de setembro tem Kommbo Express + Twestival na Ilha de Santa Catarina. Vai ser no Arte Chopp Chopperia e Bruschetteria, na Lagoa da Conceição.

"Um mix do que há de mais recente em comunicação, web, novos meios e tendências. Discussão, debates e muita informação. Kommbo é um encontro para trocar ideias, conhecer os produtores de conteúdos das chamadas novas mídias, desbravar ferramentas incríveis e claro, divertir-se nesse bate-papo informal".
O evento vai ajudar a Casa de São José, instituição que auxilia crianças da comunidade da Serrinha. DVeras em Rede apoia a iniciativa e vai fazer o possível pra estar lá.

Aviso de pauta: China

Aviso de pauta de Marques Casara:

Dia 13 tô indo para a China. Minha mulher, a fotógrafa Tatiana Cardeal, vai receber um prêmio de fotografia em Guangzhou, a uns 600 Km de Pequim. Depois, seguimos em direção ao Sul até a fronteira com o Laos, fazendo reportagens sobre comunidades tradicionais.

Aceitamos pedidos de matéria de texto, foto e vídeo.

p.s. vou levar minha camisa do Inter pra ir comemorando ao longo do caminho. Os chineses adoram vermelho e detestam azul.

Ô raça pra gostar de censura


Frank mais uma vez mata a cobra e mostra o pau. Leia mais sobre a iniciativa dos parlamentares trogloditas na Agência Senado.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Alain de Botton e a filosofia do sucesso/fracasso


O filósofo Alain de Botton examina nossas ideias sobre sucesso e fracasso e questiona o que está por trás delas. Muito bom! E se você esbarrar com um livro dele por aí, compre. Vale cada centavo.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Como a mídia social pode fazer história


Nesta palestra realizada em junho, Clay Shirky, professor de telecomunicações interativas da Universidade de Nova Iorque, fala sobre como as tecnologias sociais ajudam cidadãos em países de regimes repressivos a burlar a censura. Também mostra como o fim do paradigma "broadcasting" das notícias está transformando a política. O terremoto na China e a campanha de Obama são dois exemplos que ele cita para ilustrar sua exposição. Muito bom.

Animais de rua

E já que estamos no tema: já conhece a nova série de tirinhas do Clóvis Geyer? Os personagens são animais de rua.

A vida dos animais

Esses dias li A vida dos animais, do sul-africano J.M. Coetzee. Bela história metalínguística. Ele fez duas palestras numa universidade apresentando a história de uma escritora vegetariana que faz duas palestras numa universidade sobre questões éticas da relação dos humanos com os (outros) animais. Foi inspirador pro debate que tive com os participantes da Mostra de Curitiba.

O povo escolheu o porco

Matéria no Diário Catarinense de hoje. Gostei do título. A escolha por júri popular tem um gostinho especial.